(Ouça ao som de Crawl do Chris Brown)

“Me leva pra casa”, eu disse. Você sorriu como se nada no mundo fosse tão importante quanto aquilo, e naquele momento eu também senti como se nada fosse. “Você tem certeza ?”, você perguntou.  Eu nunca tive certeza de nada até aquele momento mas eu tive com você, e eu só queria que você me levasse pra casa. As coisas parecem acontecer em câmera lenta como se o tempo quisesse que nós gravássemos o que mais tarde eles nos forçaria a esquecer. Os primeiros passos, aqueles que nunca querem chegar a lugar nenhum. As primeiras palavras, as que não puderam ser apagadas. Os primeiros lugares no qual passamos, que eu tanto tento evitar. O primeiro adeus,  aquele que seria repetido durante tantos anos sem realmente significar querer ir embora. E o primeiro beijo, o que nos marcou e desde então eu não consigo fugir de você.

Eu sempre tive medo, exatamente disso. De me sentir segura a tal ponto que não pudesse seguir sozinha pra lugar nenhum. Assim eu teria que te levar comigo e em mim, teria que arranjar espaço para que a minha vida se resumisse aos caminhos que nós dois percorríamos a partir do momento em que eu fechei os meus olhos e me deixei levar por você. Quando pude sentir o gosto do seu veneno escorrendo pela minha boca e ainda assim deixar aquilo me viciar de uma forma que eu não consegui parar e finalmente entender que você não estaria ali para fazer isso por mim para sempre. E quer saber ? Eu ainda não consigo.

Mas teve caminhadas que não podíamos fazer juntos, e você está vivendo uma em que eu não posso seguir com você, e se você seguir a minha, bem.. Nós já estamos cansados de saber o que acontece. O tempo não está a nosso favor. E corremos contra ele, olhando para trás para que ele não nos alcançasse mas parece que quem correu demais fui eu, enquanto você ainda rastejava do meu lado. E assim, não tinha com chegar a lugar nenhum.

E se eu ainda me permite dizer algo dessa história toda.. Eu só queria ser as mãos que te segurassem, não que te puxasse para baixo. Que secasse suas lágrimas enquanto o mundo desistia de você e eu não, pois eu não iria te deixar cair.  Pra poder te abraçar tão forte até que perdesse a vontade de fugir de mim. Pra ter você comigo durante toda a noite para que eu não tivesse pesadelos. Mãos que você não largasse nunca,  porque não dava mais pra viver sem você e eu recusava a cada momento em que eu via que você estava longe e eu não podia te alcançar.

E agora ? Você me fez prometer, que se um dia eu fosse embora pra te levar comigo, mas parece que quem se esqueceu de avisar foi você. Pra que quando quisesse ir embora, me tirasse de você pra não levar consigo todas as partes boas de mim que estavam guardadas ai no teu peito, coisas que eu nem nunca nem recuperei porque você fez isso tantas vezes que é impossível ainda ter algo de bom que ainda vale a pena lutar para ter.

Eu te pedi pra que me levasse para casa, mas quem te deu a mão, fui eu. Erro meu. Não queria que me levasse para casa, queria que me levasse com você, pra onde fosse.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s