(Leia ao som de Cold night do You Me At Six)

Te confesso que jurava que essas borboletas haviam sumido, jurava que alguém que tava aqui antes de você havia matado todas elas e todas outras coisas boas que estavam no meu peito também, confesso que jurava que nunca mais iria me sentir dessa forma até porque eu jurei tanta coisa quando ninguém mais jurava algo por mim e talvez essa seja diferença entre a gente, a gente não jura, a gente só é.

Te confesso que eu sinto pressa e quero correr, ao mesmo tempo que eu não sinto pressa nenhuma mas ainda assim quero caminhar em passos largos, te dar aos mãos, fazer você vir comigo pra longe, mas você já tá aqui e cê não vai fugir, mas eu confesso que ainda sinto medo e por isso que de todas as confissões que ainda tenho pra te fazer é que você ser meu mais novo ponto fraco é uma delas. Por isso que tento tanto empurrar a gente em uma só direção, eu não quero seguir sem você e nem quero te ver seguindo sozinho.

Te confesso que eu não consigo me sentir mal por quem te perdeu, nada, nadinha, só sinto que valeu a pena ter te achado pra fazer de você o meu novo caos e motivo dos meus sorrisos. Por que lembra que eu te falei que tudo gira e continua girando ? Lembra que tá tudo em movimento inclusive você ? E tudo se acalma quando você vê algo ou alguém que te faz parar e tudo faz sentido de novo ao ver um rosto na multidão. Te confesso que nessas tuas indas e vindas e nessa tua agitação, eu quero ser teu lar, e você volte sempre pra cá e volte sempre pra mim. Porque te confesso que em cada volta sua eu me apaixonei mais do que na ida.

Te confesso que vou jurar não querer te ter por perto as vezes e vou me fazer de forte em todas elas e você não vai entender que vou preferir o silêncio ao mesmo tempo em que peço um abraço seu. Tudo pra que confesse, e por favor confesse que precisa de mim ao estar longe, e mais ainda ao estar perto pra fazer a gente dar certo e acalmar a confusão que existe dentro sim. Porque se der certo, numas dessas portas que a gente abrir e talvez ser o nosso futuro, eu vou te olhar e confessar que desde a primeira noite que eu te vi eu já sabia que queria você comigo mesmo sem você saber.

Te confesso que hoje eu esperei, e jurei de pé juntos não esperar, mas eu sou ansiosa, mesmo sem querer acreditar que eu confesso pra mim mesma e pra você que eu quero alguém que me fez acreditar em toda essa baboseira de novo, e principalmente em mim mesma, pra gente ser feliz e rolar na grama, pra correr e ver o pôr-do-sol e acreditar que podemos sim chorar pra que nunca acabe e fazer um pelo outro o que ninguém fez pela gente. Só confessa, que eu confesso e te peço que sim, namora comigo porque preciso que a gente seja diferente de tudo aquilo que a gente já viu.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s