(Leia ao som de Payphone do Maroon 5)

A gente nunca sabe se vai durar uma noite ou uma vida toda. Com você eu nunca tive essa certeza, só depois em meio as conversas que tínhamos de madrugada enquanto escutávamos a sua playlist do Spotify e depois ao perceber que eu tinha medo que aquilo acabasse, porque acabando ia acabar comigo todinha, ia me destruir como aconteceu várias vezes, e depois ia me fazer esperar mais de você toda vez que você voltasse, como sempre fazia, mesmo não sendo o bastante. Nunca. Mas com você até o pouco me tirava da minha própria insignificância de não saber amar mais ninguém, só você, o que era uma droga, literalmente era uma droga porque naquele ano eu aprendi a fumar pra te tragar dentro de mim e nem o cigarro conseguiu me deixar pior do que a forma que eu me deixei ficar por você em todos os nossos fins e recomeços.

Mas eu superei, ou pelo menos eu chamo a minha iniciativa de parar de chorar no banheiro da balada por você de tentativa. E sem discar o seu número, sem querer perguntar dos meus amigos por você, sem querer lembrar que eu sei que te viram na semana passada com aquela blusa que te dei no Ano Novo, porque nada disso importa e o que importou eu deixei no passado junto com você e eu sei que nada disso vai dar as caras por ai de novo a não ser que um de nós salte de paraquedas na vida um do outro como sempre fazemos ao perceber que é loucura ainda sermos masoquistas de ainda se querer e se matar toda vez que entramos na mesma discussão de não sermos maduros o suficiente pra continuar. E de loucura você sempre entendeu da minha, só não tive tempo de chegar na parte que você largava a sua pra ficar comigo.

Mas entre tudo o que eu passei depois de você, entre todas os encontros, e os namoros que não deram certo, entre aprender a cantar todas as suas músicas preferidas, entre tudo o que eu me neguei a parar de sentir depois da gente ter tido algo tão forte, eu finalmente entendi… Que se eu ainda tivesse um coração a cada batida dele eu te amaria pelo o que a gente foi e pelo o que um dia eu teimo a gente de ainda ser, seja por capricho ou por orgulho, ou até mesmo da minha mania de querer adivinhar o futuro, eu te peço pra esperar porque a vida cuida dessa pra gente. Porque as vezes uma noite dessas que a gente se encontra eu volto pra você pra finalmente ajeitar o que deixamos pra trás, e pode acontecer de estarmos prontos pra fazer com que dure a vida toda.

Anúncios

2 comentários sobre “Me espera amor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s