Não mais

Não mais

A sua presença é tão ausente mas ainda assim eu quase acredito. Toca no fundo, como uma pontada tênue de felicidade em meio a tanta coisa que a gente já gritou com o outro só pra poder machucar. Pude finalmente respirar e deitar a cabeça no travesseiro pela primeira vez nesse mês pra no outro dia te odiar por toda a minha alegria depender de você estar aqui. Mas a cada vez que bati com a porta na sua cara e te xingei, a cada vez que você não atendeu o telefone porque era eu, mesmo com tudo você tava lá, seja do outro lado da linha ou naquele nosso reencontro de um almoço combinado com cinema na Sexta improvisado que fez a gente rir e dar as mãos um pouco, esquecer do mundo por alguns momentos. 

E então depois disso eu acreditei. Depois que as luzes se apagaram no cinema e você me abraçou e sorriu mais uma vez. E eu pensei como as coisas estavam certas por algum momento. São momentos como esse que eu queria que durasse porque qualquer coisa de você é melhor que nada. Pra no final você sumir como um fantasma daquilo que você já foi pra mim e que um dia me amou mais do que eu merecia. Que já me fez sorrir todos os dias da semana, em tempos mais felizes, na época que era possível acreditar, na época que você queria acreditar, e ficava até mais tarde só pra jogar conversa fora sem conseguir ter coragem pra me deixar desistir da gente, pedindo pra dar tempo ao tempo. Mas eu esperei por horas a fio e esperei essa parte de você que era o cara que viria de qualquer lugar e qualquer hora só pra me ver, voltar torcendo e apostando todas as fichas pra dessa vez, como todas as vezes que torci, a gente finalmente conseguir. E ficar de vez assim. 

Mas eu tô tentando sozinha, é exatamente isso que a sua mensagem que chegou à meia hora atrás significa. Que a gente não é nada um do outro e que já deixou de ser a tanto tempo que eu apenas tô mantendo minha porta aberta por pura comodidade e simples medo de te ver indo embora levando tudo com você. E eu percebo que não deveria implorar pelo seu amor. Não deveria estar te ligando bêbada sentada na calçada da boate as 4h da manhã pra te perguntar o por quê da gente ser tão difícil e continuar fazendo isso com o outro ao invés de só tentar ser feliz. 

Não deveria estar me importando se eu devo te esquecer e ficar com o cara que me olhou a noite toda só pra esquecer alguns segundos que amar você machuca de pouquinho em pouquinho e que você tá matando o que eu sinto. Não deveria. Eu não deveria beber até sentir tudo rodar pra ser uma fuga melhor do que correr até você e vomitar minhas lembranças boas e ruins. Eu não deveria me sentir como se pra você tudo fosse melhor que eu e a nossa história. E que já sou um passado que você só não quer enterrar. Porque você não vê que a melhor parte de mim tá gritando que quer que você saiba ficar e me ame tanto quanto eu aprendi a te amar, mas você não escuta porque seu orgulho tá falando mais alto e você não quis vir até aqui comemorar  um aniversário meu e mais uma vez o fato de não ter darmos certo.

Então eu volto pra casa com os sapatos nos pés e com o coração doendo na mão. Mas quando você chegar na Segunda-feira como se a gente ainda apostasse um no outro, eu deveria acreditar em você quando diz que se importa me olhando com aqueles olhos brilhantes e segurando meu rosto. Deveria acreditar que dessa vez não vai me machucar mesmo já sabendo como isso termina. Eu deveria acreditar porque você vai pra fazer tudo ficar bem e jogar migalhas pelo chão onde passa até um dia se esquecer de alimentar esse sentimento por ser tão pouco. Só que eu quero mais do que te ver duas vezes na semana e meias palavras. Eu deveria acreditar porque eu sou aquela que tá segurando nossa corda bem forte pra ela não arrebentar mesmo com as mãos doendo, mesmo sem você ver que tô tentando pra não nos deixar cair. Mas eu não acredito, e tirei minhas fichas do jogo pra não apostar mais em você porque é impossível ganhar uma luta sozinha. Então pela última vez, eu não acredito e sinto muito por você também ter deixado de acreditar.

Não mais.

Estou indo embora da sua vida amor

Estou indo embora da sua vida amor

Te dei minha cara a tapa. Não no sentindo literal porque você não faria uma coisas delas, mas qualquer dor física que eu tentasse sentir não iria se comparar ao o que eu estava sentindo. Foi como se tivesse cavado uma faca bem no meio do meu peito e eu não sabia desistir. Desistir nunca foi uma opção não foi ? Te dei a chave e você bateu com a porta na minha cara. Mas a gente aprende da pior forma, eu aprendi quando o silêncio incomodou as 3h da manhã e tudo o que teria pra te falar só sairia na base dos gritos e dos xingamentos porque você não merecia lembrar de mim.

Eu demorei pra acreditar nisso, na gente, culpei meu signo, culpei meu ex, culpei a minha falta de tempo por causa dos estudos, culpei que não sabia amar ninguém. Até finalmente amar você. Qualquer desculpa seria válida pra eu não querer admitir que não queria que você virasse um texto ruim ou um amor que me viraria de ponta a cabeça porque ninguém quer se ver perdendo o controle ou o sono, ou os dois. Então admito, a culpa foi minha também.

Mas eu percebi que tinha que bater em retirada quando você mesmo admitiu que não saberia retribuir o que eu te dou. E nessa hora o peito sangra, e eu tenho vontade de dizer que você é um monstro por me fazer sentir várias coisas boas e quando não é mais suficiente pra você, arrancar de mim. Arrancar uma esperança que levei meses pra construir. Mas a verdade é que chegou uma hora que o seu sentimento não foi o bastante pra segurar a barra que sempre foi gostar de mim e aguentar as minhas loucuras. Por mais clichê que isso possa parecer. E ninguém pode obrigar o outro a ficar se não for um bom lar para se morar.

Mas o caminho de volta é sempre o mais longo, e as vezes ficar horas nessa caminhada tentando se encontrar faz com que acabe se perdendo mais ainda. Então eu estou indo embora da sua vida amor, porque deveria ser mais fácil e não foi. Porque está na hora de estancar o ferimento e esbarrar com alguém nessa estrada que me ajude a ver que eu mereço alguém pra me olhar da mesma forma bonita que você já me olhou quando acreditou pela primeira vez na gente.

No final de tudo, você me pediu pra parar de fumar mas no fundo sempre soube que o meu pior vício era você. Era não saber te negar nada, isso vai das suas chantagens até tirar as roupas. Porque no fundo somos orgulhosos pra admitir o que queremos mas que não muda nada mesmo assim, porque o espaço tá pequeno pra morarmos um no outro e temos muita bagagem pra carregar. Tô dando minha cara a tapa de novo, mas dessa vez é pra ser feliz sem você.

 

Faltou nós

Faltou nós

Eu tive que acordar cedo porque minha consulta no dentista tava marcada pra 10:30 e eu simplesmente esqueci. Quase perdi a hora, quase não levantei, quase me deixei ficar na cama o dia todo e liguei pro trabalho dizendo que alguém me machucou e eu não podia sair pela rua sem meu coração. Mas eu me arrastei até o metrô porque eu tinha que encarar que você disse pra eu me cuidar e me desejou sorte em encontrar outra pessoa. De verdade, quem faz isso ? Quem deseja sorte ao deixar o outro ir embora ? Por que não gritou comigo, por que não disse que não quer que seu seja feliz com ninguém como eu era com você ? Porque você não é egoísta, você foi o menos egoísta de nós dois. Eu te prendi como a isca fica presa no anzol esperando finalmente o peixe cair na armadilha, e a minha era saber como exatamente te fazer voltar mesmo eu sendo ruim na parte de te fazer ficar por perto.

Você já entendeu, eu não entendi, eu era a mais racional e você era o mais emotivo até ver que a gente já tinha virado piada de mal gosto. Eu vou ter que arrastar os meus  dias tomando meus remédios controlados e te culpando sendo que o que eu tô sentindo aqui é falta de você, e isso é pior que qualquer crise que eu já tive e que não pode ser acalmada. Eu demorei pra admitir que eu precisava de você pra trazer mais vida quando você me pedia, que quando eu preciso você já não sabe mais ser nada. Você não quer ser mais nada, e eu não posso te amarrar na minha cama e te pedir pra aguentar minha loucura porquê você já aguentou demais e agora quer algo que te faça feliz de verdade. Que não envolva desligar o telefone na sua cara e nem mandar se foder. 

 E eu só consigo te escrever esse texto porque o que eu te dei foi pouco e faltou mais. Faltou nossa viagem para Angra, faltou que você deixasse suas roupas lá em casa, faltou que a gente planejasse onde iríamos morar e como íamos fazer para escolher quem iria lavar a louça no jantar. Faltou você me ajudar a crescer de nível no jogo idiota que jogávamos, faltou você dizer que me amava mais vezes porque eu sempre demorei a acreditar que aquilo era amor, porque não era pra fazer doer. E agora que falta parece que a gente errou mais que acertou e não consigo nem te culpar por isso e muito menos a mim, porque essas coisas acontecem e alguém tem que ficar partido enquanto um parte de vez. Então já que tá indo leva a melhor parte de mim que te amou.

Bateu um medo enorme porque na volta do dentista e na ida pra casa eu queria te contar que eu tava com medo do que vai acontecer daqui pra frente e eu ia te pedir pra me buscar, mas foi quando a ficha caiu… Eu não ia mais te ter por aqui.

O que você precisa ler sobre os términos

O que você precisa ler sobre os términos

Faz uma semana que a gente terminou. Já parei de tentar adivinhar qual das vezes que a gente já fez isso e gritou um com o outro e falou que não ia mais ter volta. Mas depois de um tempo de muitos ‘vai e volta’ parece que a gente se machuca mais, parece não, a gente só se machuca mais e parece que durante dias e semanas é só isso mesmo : gritaria desnecessária. Mas dizem que se não acaba assim é porque nem amor era mais. Ele falava algo que não iria voltar atrás e que tinha razão no que disse e eu acabava beijando o primeiro que aparecesse só de raiva e enchendo a cara mesmo em alguma balada qualquer da vida. Até ai nada de novo, o que estava ficando velho era o tempo passar e a gente nunca aprender a lidar um com o outro e com os nossos sentimentos.

É engraçado o que a gente faz durante esse tempo, sendo ele uma semana, um mês ou um ano. E mais ainda o que a gente sente. Eu falava com todas as minhas amigas e aos sete ventos que não dava pra continuar e que não aguentava o fato dele ser imaturo pra tudo e não saber me entender. De eu ter que pedir tanto e me irritar pelo simples fato de que ele não tinha iniciativa pra nada. Depois disso parecia que a ficha caia que eu não iria vê-lo todos os dias e eu só conseguia sentir falta.

Da mensagem que eu só conseguia ver de madrugada porque eu acabava caindo no sono sem querer e não respondia, de ligar só pra saber onde ele estava mesmo sabendo que ele tinha ido pro futebol com os amigos, de marcar em alguma publicação do Facebook que me lembrava da gente ou tirar algum print no celular para mostrar quando estivéssemos juntos só para rir daquilo. De fazer planos de comer em algum lugar que eu queria muito e ele não, porque ainda assim ele iria me levar só pra fazer a minha vontade. De sentir que eu tinha alguém pra quem voltar pra casa depois do trabalho ou passar o final de semana vendo filme e não fazer mais nada.

Acho que no fundo essa fase da saudades é o que faz todo mundo voltar. Foi o que aconteceu comigo s-e-m-p-r-e. É a parte que mais dói e a que mais precisa ser sentida também, eu digo que é a parte mais idiota porque você só dá valor pra pessoa quando perde isso tudo, nesse quesito eu tenho que citar o meu ex. Sem lembrar das brigas, sem lembrar das discussões que nos fazem terminar em primeiro lugar porque tudo isso some de repente. É que nesse momento de grande euforia e saudades, e durante o sexo maravilhoso de reconciliação e de todo o choro de ‘a gente nunca mais vai fazer isso’ ninguém nunca para pra pensar se foi o certo ou não. Se foi certo dar razão ao coração e não a cabeça (no caso dos homens é sempre bom saber se é a de cima ou a de baixo).

Tenho pra mim que ninguém quer pensar, a verdade é, pra que pensar ? Se vocês estão dormindo na mesma cama todas as noites e ninguém toca mais no assunto. Mas olhar pro que foi jogado pra debaixo do tapete ? Jamais. Faz uma semana que eu terminei com ele e tô nessa fase da saudades e posso dizer que tô no inferno, até mesmo porque o calor no Rio ultimamente está de matar. Mas não sei se é meu orgulho falando ou a minha consciência de que foi melhor assim, porque ao mesmo tempo em que sinto falta lembro de vários outros motivos para me lembrarem que foi a escolha certa. E não, não é porque o Carnaval vai acontecer daqui a 50 dias, e sim porque tudo o que acontece, acontece por uma razão.

E o melhor é que eu sei que o sentimento existiu porque eu não guardo o choro que vem antes de dormir e nem luto contra a dor no peito de não poder mais contar com ele pra tudo, até pra matar uma barata. Isso tá me fazendo crescer de alguma forma e o que ninguém te conta sobre os términos é : que não dura para sempre a dor, e que se for seu vocês vão se encontrar com um olhar mais maduro e com cabeças mais decididas. E bom, no fundo, é o que eu espero pra mim também….E se não for ? Bem, acho que vida é assim mesmo.

Hoje é Natal

Hoje é Natal

Eu acho que não fiz tudo, eu não enfeitei a sala com as luzes brilhantes que eu queria te mostrar, eu não arrumei a casa pra sua chegada porque você sabe como é a minha bagunça, eu não te fiz olhar pela janela pra ver os fogos de artifício quando desse 00h enquanto meus cachorros latiam e a gente se abraçava rindo de tão bêbados que estaríamos naquele momento e nossa… Como eu iria amar você, como eu iria amar você me prometendo que a gente ia fazer aquilo todos os anos a partir desse. E eu poderia acreditar que ano que vem a gente seria uma versão melhor de nós mesmos. Mas sabe qual o pior ? Eu não te disse que você foi a melhor coisa que aconteceu comigo a muito tempo. Eu não te disse.

Ao invés disso eu esperei que você se lembrasse onde ficava o seu lar pra talvez querer morar aqui de novo, pra deixar eu remendar as feridas que fiz com as palavras que te cortaram como faca mas só que eu que tô sangrando porque você não acreditou em mim, e não acreditou na gente e foi embora e não me deixou te olhar pela última vez, não olhou pra trás pra eu te gritar que porra tá doendo, e meu peito tá apertado e tá doendo ver as luzes de Natal apagadas, aqui dentro tá tudo apagado sem você pra me dar vida também.

Você ficaria pra jantar se eu te abrisse uma cerveja pra mostrar a minha confusão e você saber que lá ainda é o seu lugar ? E nós dançaríamos mesmo sem saber porque eu estaria contigo e pra isso eu não preciso saber de nada, só estar com você. Você prometeria que dessa vez a gente passaria a usar aquelas alianças idiotas pra mostrar pro mundo que a gente é tão da gente que temos que provar pra todos também ? Porque eu me enganei, nós não estávamos juntos por sermos sozinhos, nós somos sozinhos se não estivermos juntos. A casa fica mais vazia sem você, e eu tô mais vazia a cada batimento meu no escuro sem saber se você volta. Então esse é meu último pedido…

Fica comigo. Hoje é Natal.

Nada de bom acontece depois das 2h da manhã

Nada de bom acontece depois das 2h da manhã

Me falam alguma coisa e não toca nem na superfície. Não como você tocava. Você tocava até no fundo e uma parte minha sentia como se fosse destroçar. Me corrijo. Não só uma, várias. Achou o que procurava ? Você tocava em todas as partes e arrancava pedaços. Eu vago como se tivesse perdido algo e a verdade é que você levou tudo e eu não me importei já que tudo o que eu era, era seu. Torço pra que volte e me devolva mas você me guarda como troféu e eu não aguento mais viver empoeirada na sua estante.

Mas o por quê de eu estar te contando isso ? Foi que na semana passada, no meio do caminho eu dei as mãos pra outra pessoa e pareceu certo, o errado é quando tá só o corpo e nem o corpo me pertence. No começo, quando eu tentava tirar você de mim você aparecia por lá. E eu podia jurar que ouvia você rindo da minha tentativa patética de mostrar a minha alma pra outra pessoa, e o motivo de você achar graça eu não preciso nem. Você pede e eu volto como boa presa que eu sou. Você bota o anzol e eu mordo a isca esperando você me puxar pra depois me jogar de novo ao mar.  Porque só essa semana eu já deixei de te amar várias vezes mas o problema é que sempre te espero voltar.

Mas eu não sei como eu tô aqui pra contar mas tô, são 2h da manhã e nada de bom acontece depois das 2h da manhã. Mas o que sobrou de mim eu deixo como ferida aberta e fico cutucando pra lembrar como é a dor. Porque eu pensei que fosse esquecer dela mas não esqueci. Mas esqueci do resto e prendo a respiração até lembrar. Até lembrar da sua voz rouca e da língua presa. Lembrar do barulho da cama quando você deitava nela e afundava o seu lado na hora de dormir. Lembrar de como era seu rosto quando eu acordava e você não e eu te via dormir sem coragem de perguntar quando você ia me mandar embora daquela vez e quando iria querer que eu voltasse pra ajeitar a tua bagunça. Não essas reticências que encontramos com outras pessoas ao esbarrar com elas no meio do caminho.

Me falam alguma coisa e não toca nem na superfície. E eu fico pensando no quanto a vida é injusta por não ter ninguém que eu vá amar tanto quanto você.

 

Pra te falar

Pra te falar

Acho justo te deixar começar, dessa vez você pede desculpas primeiro. É inútil porque já fazem três anos e posso apostar que até semana passada quando a gente se esbarrou não tínhamos nada pra falar, nem pedir perdão. Porque mesmo sem querer já perdoamos, o tempo fez isso pela gente. Ele só não impediu te de botar no meu caminho na fila do café expresso em plena hora do rush como se ele mesmo tivesse quebrado a máquina do trabalho pra me fazer ir até lá e escutar seu nome sendo chamado pelo caixa.

Mas enquanto você não começa deixa eu te falar, deixa eu te falar porque eu ainda tinha seu número gravado no meu celular com várias exclamações do lado mesmo você tendo trocado de celular duas vezes e botado foto com as suas namoradas em todas elas.

Eu só queria te dizer que depois de você eu nunca mais fui a mesma, e demorou um tempo até eu descobrir se aquilo era bom ou não, mesmo eu tendo mudado a cor do meu cabelo várias vezes porque você não tava aqui pra dizer qual que combinava mais com meus olhos. Só queria te dizer que eu bati no peito, com força, só pra ter certeza que já não tinha mais nada de você aqui dentro que me incomodasse e assim o café podia descer sem que tivesse amargo e me queimasse como você me queimou.

Mesmo que as cicatrizes abrissem e sangrassem mais do que tá sangrando agora enquanto seu olhar tá perdido no meu e eu só queria esticar a mão pra te tocar. E eu sei o que é isso, é te conhecer e você saber onde fica cada parte do meu corpo que arrepia mas ainda assim não saber por onde começar porque a saída ainda é a mesma. E ela sempre nos levou pra um lugar diferente.

Então eu começo a gaguejar e você levanta o olhar, e você tá pesado porque o caminho que te fez me encontrar acumulou muita bagagem dos seus relacionamentos passados e dos meus eu não carreguei mais do que uma caixa com minhas roupas e cupons de promoções vencidos. E quero perguntar se foi o café que esfriou rápido demais ou porque você ainda gosta de mim e demorou pra perceber.

Mas só que o problema é que a gente não é mais a gente, e que se você falar que vai embora e me deixar falando sozinha não vai mais encontrar a porta trancada, eu não tenho mais medo, eu não tenho mais medo de bicho papão e nem de você. E nem do fato que você me arranhou, mastigou e não engoliu e que ainda assim tô viva pra te olhar e falar que você passou, mas mesmo tendo passado tantas vezes sempre quando passa ainda assim leva algo de mim que não volta mais, é que nem você e seus cigarros, faz um mal mas não dá pra ficar muito tempo sem tragar.

Então te trago pra dentro de mim mesmo que você se apague em algum momento, vou sabendo que mexi contigo e que você pode morrer sem admitir que tô te incomodando por mais que você tenha deixado de me amar primeiro quando eu nem sequer tinha tentado. E você vai olhar de esquina em esquina e de bar em bar só pra não me encontrar porque não temos mais recomeços bonitos, o semáforo fecha e a gente atravessa pra bem longe um do outro e eu aprendo a não cruzar mais o seu caminho e nem deixar você cruzar o meu.